capa-odiadocuringa

(Resenha) Jostein Gaarder – O dia do curinga

Sinopse:

“Você já pensou que num baralho existem muitas cartas de copas e de ouros, outras tantas de espadas e de paus, mas que existe apenas um curinga?”, pergunta à sua mãe certa vez a jovem protagonista de O mundo de Sofia.

Esse é o ponto de partida deste outro livro de Jostein Gaarder, a história de um garoto chamado Hans-Thomas e seu pai, que cruzam a Europa, da Noruega à Grécia, à procura da mulher que os deixou oito anos antes. No meio da viagem, um livro misterioso desencadeia uma narrativa paralela, em que mitos gregos, maldições de família, náufragos e cartas de baralho que ganham vida transformam a viagem de Hans-Thomas numa autêntica iniciação à busca do conhecimento – ou à filosofia.

O dia do curinga é a história de muitas viagens fantásticas que se entrelaçam numa viagem única e ainda mais fantástica – e que só pode ser feita por um grande aventureiro: o leitor.

O Dia do Curinga

Título: O dia do curinga                                                              
Autor: Jostein Gaarder
Editora: Companhia das Letras    
Nº de Páginas: 382
ESTRELA-FAV

Resenha

“Você já pensou que num baralho existem muitas cartas de copas e de ouros, outras tantas de espadas e de paus, mas que existe apenas um curinga?”

Hans-Tomas e seu pai partem da Noruega a Grécia de carro a procura da mulher que os abandonou há 8 anos. E nessa viagem Hans-Tomas irá encontrar um anão que lhe dará um vidro que serve de uma lupa, logo depois um padeiro lhe dá um pão e quando ele come o pão descobre um pequeno livro dentro dele e começa a ler com a lupa dada pelo anão.

“Lembro-me primeiramente do enterro. Eu fui o único que não chorou; estava com tanta raiva de mamãe, que acabara de nos deixar, que não me dignei de derramar por ela uma única lágrima sequer. Desde então a ira se tornou para mim o melhor remédio contra a tristeza.”

Vamos acompanhar junto de Hans-Tomas a fantástica história contada no livrinho, onde cartas de baralho saem da imaginação de um naufrago em uma ilha deserta e ganham vida. Hans-Tomas aos poucos irá começar a perceber que a história do livro pode estar ligada a ele e sua família.

“Meu pai acreditava que um dia a ciência ainda iria produzir gente mesmo, seres pensantes como nós, só que artificiais. E tem mais: no fundo ele já achava que todas as pessoas eram artificiais.”

O pai de Han-Tomas é um filosofo que busca descobrir o sentido da vida, do ser humano, pois um filósofo não sabe de tudo, ele busca o conhecimento.

“E se o mundo é um número de mágica, então deve existir um mágico. Espero que um dia eu consiga desvendar esse truque. Mas não é fácil desvendar um truque de mágica, se o mágico que o realiza nem sequer se mostra no palco.”

O livro é delicioso de ler e fantasia contida nele junto com a filosofia me encantou de tal forma que li o livro bem devagar degustando e me deliciando com cada momento da trama. Adorei descobrir o que é o dia do curinga, essa é uma leitura onde o viajante é o leitor.

”O curinga é única carta do baralho que pode ser retirada sem afetar o jogo. Afinal, sua presença era apenas caos.”

Recomendo muito a leitura para todos, principalmente para quem curte uma boa fantasia. Confesso que não esperava que fosse me encantar tanto por essa leitura por ter filosofia, que foi escolhida para um desafio literário de ler um livro desse autor. Por isso gosto de ler desafios muitas vezes me surpreendo.

“Já viajei muitas vezes para o espaço sideral”, gabou-se o cosmonauta, “mas nunca vi nenhum anjo”. O neurocirurgião, primeiro ficou olhando para ele; depois disse: “E eu já operei muitos cérebros inteligentes, mas nunca vi um pensamento.”

Jostein Gaarder é autor do famoso livro O mundo de Sofia, meu primeiro contato com o autor foi com O dia do Curinga, pois achei que não iria gostar de O mundo de Sofia. Fiquei tão encantanda com a escrita do autor que logo depois tive o prazer de ler O mundo de Sofia e posso dizer que amei a leitura. Pretendo ler mais livros do autor.

escrito por Danielle Peçanha

Danielle Peçanha

33 anos, casada, livros fazem parte da sua rotina. Também ama música, filmes, seriados e estar com a família e amigos.

14 comentários sobre “(Resenha) Jostein Gaarder – O dia do curinga

  1. Gaby Marques says:
    avatar

    Muito bom isso quando gostamos de duas obras do mesmo autor, não é? E lidas em um espaço tão curto de tempo então…
    Gostei bastante de saber sua opinião sobre O Dia do Curinga. Com certeza entrou para os desejados, e espero gostar tanto quanto você 😀
    Beijos

  2. Natasmi Cortez says:
    avatar

    Oi Dani,
    Quando era bem mais nova li O Mundo de Sofia e já nem lembro da história, somente de ter viajado nessa filosofia toda.
    Parece que O Dia do Coringa segue a mesma linha, usa a ficção da fantasia para ensinar preceitos filosóficos.
    No momento eu não leria, mas que bom que você gostou.
    Curti muito os quotes escolhidos por você, principalmente o primeiro :)

    Abraço e Bons Livros,
    Biblioteca do Coração ❤

  3. Lumartinho says:
    avatar

    Oi Daniele!
    Que capa linda tem esse livro. Eu não sei se gostaria da história porque tem essa coisa de fantasia, que não me chama muito a atenção, mas só pela capa, eu acho que já daria uma chance para o livro!!
    Beijos

  4. Neyla Suzart says:
    avatar

    Oi Danielle!
    Do Jostein eu li apenas O Mundo de Sofia e amo demais (tanto que li 3 vezes)! <3
    Tenho loucura para ler O dia do curinga, principalmente por ser uma história bem diferente da que eu li e por já ter visto inúmeros elogios a respeito dele.
    Fico feliz que tenha gostado! A escrita dele é incrível, né? Leia O Mundo de Sofia, é um livro ótimo e cheio de reflexões. <3
    Beijos
    Coisas de Meninas

  5. Isa Pasqualini says:
    avatar

    Oieee!
    Então, vi esse livro no skoob, depois li 1001 resenhas mas ainda não o peguei. Por mais que seja de fantasia, e esse seja meu segundo tema favorito, não me senti muito a fim… De verdade, vou tentar pegar ano que vem, não posso deixar de lerrr!
    bjsss

Deixe um comentário